terça-feira, 5 de maio de 2009

RECORDAR PARA NÃO PARAR DE SONHAR

Foto recolhida aqui

Bom-dia turma dos ‘enta’!

Lembram-se da irreverência da menina com meias altas, uma de cada cor, e totós espetados que fez a delícia das nossas infâncias, saltando em mil cabriolices em cima do seu cavalo e com as cumplicidades de Mr. Nilson, o seu macaco? Lembram-se das suas botas enormes, das sardas na cara, do seu cabelo ruivo e da casa abandonada para onde foi viver? Lembram-se do pai que a amava e a quem ela adorava, mas que não a conseguia demover das suas histórias que nos fizeram fantasiar? Pois a Pippi das Meias Altas fez 50 anos. O que quer dizer que as nossas infâncias também já começam a contar algumas décadas. Valem as lembranças que ficam desses tempos e o gozo que dava ‘embarcar’ nas loucuras desta criança de dez anos que nos fazia acreditar também nos ser possível ter um cavalo onde viajar, um macaco em quem confiar e muitos, muitos sonhos para realizar.

8 comentários:

jardinsdeLaura disse...

Pas(ç)sos,

Jura? Quem diria que essa menina traquina já tem a minha idade!!!
Se nos lembramos?! Mas como se pode esquecer uma menina traquina e forte quanto baste para pôr na linha os adultos abusadores e maus?! Lembro-me dela na minha infância e mais tarde na infância das minhas filhotas!
Referências há que não se perdem antes se transmitem de geração em geração!!
Gostei de lembrar!

Marta disse...

Que delícia de post e de imagem :)

Eu, apesar de uma memória esbatida, lembro-me!

Mas mesmo não sendo, ainda, dos "enta" - está quase :) - a Pipi das Meias Altas é uma referência! É um ícone da irreverência e dos totós!!!!!
Eu explico: sempre que a minha mãe me fazia totós, lá vinha a Pipi da Meias Altas à baila! :) é mais por aí... que sorrio! Porque eu odiava totós... :) Que bela recordação!!!!
obrigada, Passos!

Helena Branco disse...

Se a recordar se vive...e como a irreverência é o superlativo da alegria e da traquinice, os tótós são como crinas amansadas para que se não voe alto de mais, são como chicote esbravejando odisseias...e depois as sardas...lembram pequeninas marcas de "PASSOS" dados na imaginação...enfim uma delícia!

mariab disse...

já 50 anos? o que vale é que os sonhos se mantêm sempre jovens... assim nós façamos por isso!
beijos

sonjavalentina disse...

como é possível não recordar? a Pipi das Meias Altas juntamente como o Speedy Gonzalez (com quem um dia achei que poderia casar....) faz parte dos meus heróis dos tempos de criança!
obrigada pela recordação!!!

Gi disse...

Então não me lembro! Se me lembro;Há 2 anos mascarei-me de Pipi e tudo.
Mais recentemente estive a rever a série e fiquei tão desiludida: vê-la com olhos de adultas foi o meu pior erro.
Devia haver uns óculos especiais para regressarmos ao passado.

Marta disse...

Sonja, não resisto a comentar, novamente e a culpa é tua! :) Estou a rir e a sorrir! Casar com o Speedy Gonzalez, pareceu-me, agora, o sonho de qualquer mulher lucida :)

beijo e obg por este momento tão bem disposto :) o dia começou e encerrou com chave de ouro, por estas bandas!
obg tb Passos!

Alexandra disse...

Oh que ternura!!!

Claro que me lembro de tudo e ver esta belíssima imagem fez-me sorrir.

A nossa companheira dos sonhos, já com 50 anos?

Bem, para nós, a turma dos 'entas' ficará sempre a imagem infantil à qual associaremos uma carinha patusca, cheia de sardas e uns grandes totós ruivos. :)

Obrigado Pas[ç]sos, por esta deliciosa recordação.

:)