segunda-feira, 29 de junho de 2009

DEPOIS

Foto de Jennifer S

Provo na pele
o sabor que me deixaste
na noite
em que os corpos se ceifaram
ao estio solitário
de sonhos mergulhados na sede

Seco nas mãos
o cheiro de carícias arrancadas
à vontade humedecida
de abraços desordenados na angústia
de estenderem
palavras mascaradas de respeito

Cravo na garganta
o travo ardente dos beijos
sugado na paixão
das bocas coladas em desvario
numa busca cega
da eternidade finada no momento

e repouso
na hipnose deixada pelo amor
quando acorda na manhã
herdada pelo desfalecimento
do desejo


7 comentários:

Tia_Cunhada disse...

SUBLIME, simplesmente...

PasÇsos, os teus poemas mereciam uma edição em livro.

Gi disse...

E depois?
Acordo e sinto que não foi um sonho e que te embrulhaste em mim e te tornaste realidade.

© Piedade Araújo Sol disse...

PAS[Ç]SOS

um poema que se lê e relê.

muito bom mesmo.

um beij

sonja valentina disse...

... depois, o que resta são saudades, que o tempo não alivia nem serena.

Luísa disse...

a
saudade
é
o
amor
que
ainda
ficaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!

Bjnhs

Alexandra disse...

Não tenho mais nenhuma palavra... só esta: BELO!!!

Tia_Cunhada disse...

Voltei para o ler pela enésima vez e copiei-o para a minha pasta de poemas preferidos...

Poderoso e encantador...