sábado, 8 de agosto de 2009

RAUL SOLNADO

Foto recolhida aqui

Quando era criança existiam os discos de 45rpm, em vinil, com as suas ‘histórias’. Sabia-as de uma ponta à outra, como a história da guerra, a do violino, a do cabeleireiro o Caracol das Avenidas, a dos bombeiros voluntários, a do homem que se quer suicidar, a 'História da minha Vida'...

Como qualquer criança que faz umas habilidades eu era o palhacinho quando ia ao barbeiro, e com 6/8 anos, sentado na cadeira, debitava todas as suas histórias.

Hoje, quando mais um herói do Zip Zip desaparece recordo piadas isoladas das suas histórias, sem o entusiasmo de antes, mas que me deixam a saudade de mais um ídolo que partiu.

Hoje, Raul Solnado já não responderá mesmo que peçamos 'Podió chamá-lo?'


2 comentários:

Tia_Cunhada disse...

Figura marcante esta... A família juntava-se para o ver e rir com ele... O meu Pai achava-lhe imensa graça.
Hoje choramos por ele. E custou-me, confesso...

Parapeito disse...

:)) Eu lembro quando nos sentavamos todos ma sala para o ver...
Fiquei sempre com aquela frase dele : de por a vaca na varanda para ter leite fresco...
ou a de :faz favor de serem felizse...
Que esteja em pax onde estiver e que continue a fazer sorrir :)