domingo, 20 de setembro de 2009

VISÃO MATINAL


Vinda do nada surgiu no meio da multidão matinal. De baixa estatura e rosto miúdo, os olhos escondiam-se por detrás de óculos escuros e fixavam-se na leitura. Um blusão de ganga encobrindo parte de um colar que se estendia ao longo do tronco, concedia-lhe um ar leve e informal, mas de indiscutível bom gosto. O cabelo curto desarrumava-se intencionalmente em comprimentos diferentes anarquicamente estudados. A inconstância de cores evidenciava a artificialidade que não se estendia às unhas. Cuidadosamente tratadas mantinham a sua cor natural. Os dedos pareciam desenhados numa proporcionalidade perfeita com as mãos. Nelas tinha Tudo o que sempre desejamos, de Janelle Brown. A expressão do rosto adivinhava-se ajustada às revelações da leitura. Na boca, as sensações inspiradas… o lábio inferior mordido, o esboço de sorriso, um espanto semi-expirado. Que viagens pode um livro provocar numa mulher? Em que espelhos se pode ver reflectida? Que transposições pode realizar para as páginas que lê? A cada desequilíbrio segurava-se na leitura. Eu prendia-me àquela visão matinal. Momentânea. Conjecturando o que não era observável. E que deixei para trás na cadeira do tempo… por onde as horas passam.

6 comentários:

Gi disse...

Tudo o que sempre desejaste materializou-se naquela visão matinal.

Tia_Cunhada disse...

Magnífico registo de um momento simples mas carregado de expressividade...
Uma mulher e um (bom) livro, que perfeita conjugação!
Um beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

e bastou um olhar para sair um boa prosa.

um beij

susana disse...

Que viagens pode um livro provocar numa mulher? Todas, até ao abandono de si.

cilita disse...

"QUE VIAGENS PODE UM LIVRO PROVOCAR NUMA MULHER?" Tantas viagens!Sonhos, fantasias por descobrir, desejos escondidos, a incontrolável magia de viver o desconhecido...

sonja valentina disse...

acasos da vida...