sexta-feira, 27 de novembro de 2009

CONTEMPLAÇÃO

Foto de Gwenn


No limite do horizonte,
onde a tua contemplação
se fundia em assombro,
o rebentar de cada vaga.

Na altivez da sua crista
nasciam em espuma
gomos duma tarde
banhada de felicidade.

Descobri no teu olhar
o voo dos peixes,
asas em cardume
num céu de água.

No furor do mar
descobri a serenidade
que acalma a corrente
do contínuo ribombar.

Quando o sol derreteu na água
inundaram-na estrelas
de origens indefinidas;
caminharam-nos passos
numa navegação
ao encontro da lua.


6 comentários:

susana disse...

reclamação: sinto-me abandonada!

o poema: lindo, como sempre. E de água!

Maria Clarinda disse...

(...)Na altivez da sua crista
nasciam em espuma
gomos duma tarde
banhada de felicidade.

Descobri no teu olhar
o voo dos peixes,

Como foi bom ler-te nesta manhã de nevoeiro!!!
Jhs

elisabeth disse...

voos de peixes num olhar,
céu de água

descoberta da serenidade no furor do mar

o sol derretido na água, inundado de estrelas

navegação ao encontro da lua -

bela mistura dos elementos à procura da intensidade do sentir,
inspirações para um pintor dotado ...

© Piedade Araújo Sol disse...

o mar como fonte de inspiração, belo poema!

gostei tambem da foto.

bom fim de semana!

beij

elsafer disse...

próximo esse olhar
:)

Tia_Cunhada disse...

Saudades de estar aqui... Que bom voltar com tão belo poema.

Um beijo