sexta-feira, 20 de novembro de 2009

MANTO DE PALAVRAS

Foto de Vernon Trent


Estendeste-me um manto de palavras
que colhi como se fossem pétalas
duma flor a quem queria conhecer o cheiro.
Eram tuas, senti-as minhas.
Não as conhecia, sabia-lhes o sabor,
nunca as lera, conhecia-lhes as letras.
Caminhei entre significados,
descobri intenções.
De algumas fiz pele
de outras, véu de aconchego.
Deitei-me nelas e afaguei-me…
Bebia-as e traguei-lhes o calor,
olhei-as e extrai-lhes a cor,
sussurrei-as e copiei-lhes o som…

… cheguei à tua boca.
… nos teus lábios depositei
a doença
que as tuas palavras
me curam.


6 comentários:

susana disse...

O último verso fez-me lembrar um filme do qual não recordo o nome. Um negro gigante, com alma de criança, que cura as doenças com o bafo do seu corpo, que emana da sua boca. Um filme de uma enorme ternura. Talvez como este poema. Talvez não.

milhita disse...

Um sentido tão bonito!
Tenho uma flor também , de pedra, que aquece as minhas mãos salgadas e tão quentes de vida.
Estas palavras que li, são sopros de uma alma bonita.
Bom fim de semana

Laura disse...

Lindo...

Zaclis Veiga disse...

Muito lindo. As palavras deveriam, ser, sempre, recebidas tamanha ternura.

Helena Branco disse...

...sempre as palavras tocantes ruborizadas a revelar-se o sentimento o poeta que as afaga...

Direi sempre pouco... deixo-lhe a sombra breve da minha passagem por este vale de emoções raras que muitas vezes ultrapassam o dizer humano...Creia-me ABRAÇO

VERA DE VILHENA disse...

Muito, muito intens! Também eu faço destes versos um bocado da minha pele.