terça-feira, 13 de outubro de 2009

QUERO

Foto de Andrea Fantoni


Eu quero morar
nesse coração vazio,
depósito abandonado
por memórias apagadas.
Eu quero apertar-me
nesses braços abertos
de sabores esquecidos
no frio da solidão.
Eu quero desembocar
nesse castelo de fantasia,
história de esperanças
matizando os teus dias.
Eu quero ocupar
o lugar que te sobra
em lençóis dum oceano
desaguando na madrugada.

Feito invasor aguardado
quero tomar esse reino
onde tuas mãos me esperam
num cerrar de pálpebras…
e quero inundar os teus dias,
alagar os teus sonhos,
ensopar o teu olhar,
transbordar de tuas mãos,
penetrar no teu corpo
e cair…
na tua noite,
no teu solo,
na tua voz,
no teu cântico…

E quero preencher-te
até que não fiquem hiatos
e as palavras sobrem
e se espalhem pelo chão
e que as pises, as ignores
mas que permaneçam
colhíveis…
para que as semeies
sempre
que me queiras em ti!

10 comentários:

Tia_Cunhada disse...

Um apelo aos sentidos, carregado de emoção... sedução...
Forte. Muito forte!

continuando assim... disse...

estremeci... gostei :)

bj
teresa

elisabeth disse...

feliz quem receber um poema assim... poderoso

Sonia Schmorantz disse...

Muito bonito! Parabéns!
Um abraço

Helena Branco disse...

Não te comparo
porque és único
nem aguardo... porque
és amanhã

Luz disse...

Muito bonito. Um autêntico canto ao amor. Querer e desejo infinitos num único sentido que é o do amor com paixão pleno de palavras e gestos que apenas quem ama consegue sentir e compreender. Pleno de emoção, um apelo a todos os sentidos em nós contidos. Gostei muito, toca e estremece a alma de quem lê e sente desta forma.

Gi disse...

Muita determinação.

C. disse...

Belíssimo jogo de intensidades. Disso vive a escrita, como a música,a arte. Ou os verdadeiros afectos.
Gostei muito de ler.

Sonhadoremfulltime disse...

Aconselhado, e bem, pela minha querida amiga Luz, deparei-me com um dos melhores espaços por onde tenho deambulado.
O tempo não me permitiu apreciar tudo tal como gostaria, mas o que vi é de facto muito bom.
Voltarei sem dúvida.

Um grande abraço

AnaMar (pseudónimo) disse...

Preenchidos todos os espaços com palavras que nunca chegam num amor cintilante de desejos por inventar.
A acontecer.
Sem medos.
Bj