quinta-feira, 1 de outubro de 2009

NUM MINUTO

Foto de Andreea Chiru


Deixa-me roubar-te um minuto
para que leias o que te escrevo,
na fronteira entre o sonho e o desejo.

Deixa-me ler-te num minuto
as palavras que não escreves
mas que nascem como gotas no teu olhar.

Deixa-me raptar-te num minuto
para que a dúvida seja anseio
e o resgate uma vontade sem querer.

Deixa-me beijar-te num minuto
para que a minha boca não perca a sede
e os meus lábios guardem todo o sabor.

Deixa que nos amemos num minuto
para que os corpos sejam vulcões
e não se cansem na volúpia da entrega.

7 comentários:

Tia_Cunhada disse...

E num minuto disseste tanto...

Beijo

cilita disse...

Num minuto, ou em muitos, não interessa quantos..
Beijos, e mais beijos, porque todos gostamos de beijos,de amor,de ternura, de amizade,de paixão...

Gi disse...

Minuto a minuto enchemos os nossos dias.

sonja valentina disse...

breve instante esse minuto carregado de tanto e de tudo.

AnaMar (pseudónimo) disse...

60 segundo de pura magia. Irresistível.
Ler-te é...viajar.

Bj de bom fim de semana.

C. disse...

É impressionante o valor de um minuto, um que seja, nas nossas vidas! E este poema diz muito bem esse tempo que é da ordem do sentir.

Abraço

Luz disse...

Como num minuto podemos sentir tanto em nós..., como em apenas num minuto podemos mostar a nossa alma..., como num minuto podemos viver tanto e, por vezes nem damos conta dos minutos que desperdiçamos...
Como foi bom passar por aqui e ler num minuto... Obrigada.