segunda-feira, 5 de outubro de 2009

ESPERA [UM LUGAR À MESA...]

Foto © Sonja Valentina


Não sei se por prece, se por obsessão. Talvez como ritual. Todos os dias preparo, à minha frente, espaço que sobra dentro de mim, dia a dia na vontade de deixar de o ser. Um espaço desocupado. Não sei se por loucura, se por fantasia. Talvez por sanidade. Todas as refeições deixo os diálogos cobrirem-se de silêncio. Palavras adivinhadas. Omitidas na emissão do sonhar. Um espaço cansado de não se sentir falado.

Todos os dias, o prato espera vazio para que a comida não arrefeça. O vinho aguarda no copo para ganhar corpo. Todos os dias há um lugar à mesa, como há um lugar em mim. É esse vazio que me enche o peito, que todos os dias se senta na minha mesa. Sem convite. Os vazios não se convidam. Implantam-se. Estendem-se. Ganham espaço. Conquistam terreno. E é para evitá-lo que todos os dias há um lugar, à espera, na minha mesa.

No dia em que esse lugar for ocupado, já o espaço ganhou raízes. Tentáculos que segurarão quem se sentar. Porque a espera criou braços que envolverão quem a quebrar. O manjar apurou. Ganhou o paladar que recusa a partida. O néctar envelheceu e inebriará quem tiver a coragem de fantasiar um regresso nesta chegada desejada.

Todos os dias há um lugar à mesa que se senta na minha frente. Eu olho-o sem que ele me veja. Todos os dias reparto a minha refeição com esse lugar que ocupa mas não é ocupado. Todos os dias vejo na minha frente esse vazio que me inocenta a vida. Todos os dias me levanto da mesa com a esperança de que será amanhã… um lugar à mesa será ocupado dentro de mim.


[Na era digital, também da fotografia, Ampliações são as minhas revelações de algumas sugestivas imagens de SONJA VALENTINA; são ampliações escritas, obviamente pessoais, dos pormenores com vida registados pela fotógrafa]


9 comentários:

estrela polar disse...

As vezes tambem é preciso ganhar raizes em nós mesmos para conseguir-mos perder o medo e ganhar-mos coragem de aceitar que outros se sentem á mesa connosco, a saboriar o banquete do Amor:-)

beijos

E.C.

cilita disse...

E quem ocupar esse lugar, será por certo muito feliz, porque nesse espaço há muito para receber.É um desejo mais do que necessário é um direito que todos temos, o de ser feliz.

milhita disse...

A espera é vida. O sonho adiado em palavras que se sentem agora.
Que texto tão bonito, tão sentido.
Entre dois momentos há um sopro de alma que nos engrandece, como este!
Um abraço

Tia_Cunhada disse...

"As pessoas entram na nossa vida por acaso, mas não é por acaso que elas permanecem. Lilian Tonet"

Espero que sim, que esse espaço seja plenamente preenchido.
Um beijo

Marta disse...

PARABÉNS aos dois!

continuam no bom caminho :)

beijinhos

Gi disse...

Espero que não estejas à espera nem de Godot, nem de D. Sebastião.

Charlotte disse...

Esse lugar vazio poderá um dia ocupar um lugar dentro do teu coração...não percas a esperança!
Espero que o consigas preencher e partilhar!

Patti disse...

Não será o espaço da pulsação?

Luz disse...

Uma forma muito bela de descrever esse espaço vazio que um dia irá deixar de o ser.
Temos de deixar ocupar em primeiro lugar em nós, para que depois alguém possa ocupar também em nós esse lugar que está aberto, se continuarmos a ter medo de partilhar esse espaço continuaremos a ver sem sermos vistos com o olhar da alma que vive em nós e também no outro por quem esperamos.