terça-feira, 5 de janeiro de 2010

NUM [TEU] ABRAÇO

© Torsten Wolf


Num abraço
semeiam-se carícias
escorridas por entre os dedos
abertos no desapertar das mãos…
germina ternura
fluida através de sonhos
que as bocas não ousam revelar…
seca a ansiedade
mascada em horas de demora
desguarnecidas por carências suspensas…
amadurecem beijos
de lábios abertos na avidez
das bocas molhadas no calor da entrega…
colhem-se certezas
de gestos em corpos falantes
que não se apartam para segurar o tempo…

No teu abraço
começa a Primavera
dum coração derretendo de ardor veraneante
em busca do repouso nas tardes outonais
que antecipam a lareira do teu peito onde me alojo.
No nosso abraço
a inquietude adormece em pousio
e o gelo nevado da saudade
é escondido no celeiro da letargia.


4 comentários:

milhita disse...

Como sempre, quando aqui venho, deparo-me com encanto mais que espanto, com uma luz de palavras bonitas que entram no tempo que me passa como se ja antes morassem em mim.
Um abraço
Bem hajas!

Tia_Cunhada disse...

Um abraço é das coisas mais deliciosas que há.
Deixo-te um

elisabeth disse...

A ternura
fluída através dos sonhos,
que inventam caricías,
amadurecem beijos,
aguardam as horas
da entrega ao calor,
da colheita da certeza,
para segurar o tempo
...num abraço eterno...

Ansiamos pela primavera!

um abraço para o poeta...:)

sonja valentina disse...

deixo-lhe apenas um sentido abraço.